sexta-feira, 8 de outubro de 2010

Pesquisadores tentam encontrar meios para retirar os plásticos dos oceanos


Milhões de toneladas de plástico estão se acumulando em nossosoceanos. Todo esse plástico está naturalmente formando vórtices nas correntes oceânicas, conhecidos como “redemoinhos”, onde o lixo flutuante tende a se acumular – a área fica parecendo uma ilha de lixo.

O maior fica no Pacífico Norte, e abrange uma área que é o dobro do tamanho da França. Outros já foram descobertos no Atlântico Norte e, mais recentemente, no Atlântico Sul. Especialistas temem que o mesmo fenômeno esteja ocorrendo no Pacífico Sul e no OceanoÍndico.

Esse lixo danifica as encostas e mata a vida marinha (que confunde o plástico com alimento e acaba se intoxicando). Os restos de plástico também “transportam” resíduos químicos que “grudam” neles através dos oceanos, contaminando a água e, novamente, prejudicando os animais e as algas.

Agora, cientistas estão pesquisando formas de lidar com tamanha quantidade de lixo acumulada nos oceanos. Eles estão investigando como poderiam acelerar a degradação do plástico, através de micro-organismos que já se encontram no mar e que naturalmente se alimentam de plástico.

Os pesquisadores britânicos encontraram micróbios que estão se alimentando de plástico nas águas oceânicas do Reino Unido. Agora, pretendem descobrir como essas enzimas trabalham, para ver se é possível que elas realizem o mesmo serviço em um ambiente controlado, ou seja, em laboratório.

Os resultados são promissores, porém os pesquisadores alertam que, mesmo que consigam incentivar a proliferação dos micróbios em uma área de resíduos de plástico, esse processo seria muito lento.

A intervenção biológica para restaurar o ambiente marinho, também conhecida como biorremediação, é um campo de pesquisa relativamente novo que exige uma avaliação cuidadosa de potenciais consequências.

Além disso, o trabalho mais cabível da ciência visa na verdade interromper a poluição por plástico nos oceanos. Por exemplo, pesquisadores irlandeses estão testando uma alternativa para o plástico: eles estão usando resíduos de plástico para fabricar um combustível sintético a partir de um processo chamado pirólise de plástico.

Os resíduos de plástico que poderiam acabar em aterros são limpos, secos, e em seguida aquecidos a mais de 300 graus Celsius. O líquido resultante é transformado em gás, que é então fracionado para produzir um combustível parecido com diesel.

Infelizmente, o custo desse processo é alto, e é apenas parcialmente recuperado pelo custo do combustível gerado. Segundo os pesquisadores, a melhor solução para o lixo seria a reciclagem. Porém, mesmo na Europa, anualmente apenas 50% das 25 milhões de toneladas de plástico são reciclados.

Além disso, especialistas apontam que o estilo de vida dos seres humanos é o centro do nosso problema com o plástico. Por exemplo, os fabricantes variam as cores dos componentes plásticos, como de embalagens de bebidas, que são feitas de diferentes tipos de plástico, o que os torna mais difíceis de serem reciclados. E muitos produtos, como as sacolas plásticas, ainda não são recicláveis.

Ou seja, segundo pesquisadores, a diversidade de polímeros e as formas diferentes de embalagens que usamos comprometem a capacidade de reciclagem do produto. Enquanto isso continuar ocorrendo, o lixo vai continuar se acumulando nos nossos oceanos. [BBC]

http://hypescience.com/pesquisadores-tentam-encontrar-meios-para-retirar-os-plasticos-dos-oceanos/?utm_source=feedburner&utm_medium=email&utm_campaign=Feed:+feedburner/xgpv+(HypeScience)

HYPESCIENCE