sexta-feira, 25 de junho de 2010

Como nasce um furacão?


Desastres naturais como furacões e tornados nunca estiveram encabeçando a lista das principais preocupações dos brasileiros. Nosso conhecimento sobre essas destruidoras perturbações eólicas, em geral, se limitam à desgraça que de vez em quando acompanhamos pelo telejornal. Pois bem, aqui vai uma breve descrição sobre o tornado: é uma coluna rotativa de ar que se estende a partir de uma tempestade no céu até o solo. A velocidade do vento em um tornado pode chegar a 400 km/h, pode deixar um rastro de destruição de cerca de até 2 km de largura e dezenas de quilômetros de comprimento. No Brasil, na temos nada maior do que vendavais de intensidade média. Estamos bem felizes sem eles!

Mas afinal, o que origina um tornado? Para começar, é preciso que a temperatura do ar esteja fora do comum: na baixa atmosfera, é necessário haver ar quente e úmido, e na alta, ar frio e seco. Na altitude, em baixa pressão atmosférica, essa troca térmica permite uma circulação de ar em forma de ciclos, que vai ganhando força e intensidade ao avançar por quilômetros na horizontal. Essa corrente espalha-se, então, na vertical, ao mesmo tempo em que o ciclo de ar se comprime cada vez mais em torno de um “eixo” – em um movimento semelhante aos giros de um patinador no gelo, mas com velocidade crescente -, até que a baixa pressão obriga a corrente a descer e ela encontra o chão. Pronto: temos um furacão.

Os Estados Unidos são campeões no número de tornados: são cerca de 800 a cada ano. E há um fato pitoresco que pouca gente conhece: 95% dos furacões giram em sentido horário. E se você esteve se perguntando isso o artigo inteiro, sim, furacão e tornado são a mesma coisa. [Scientific Blogging]

http://hypescience.com/como-nasce-um-furacao/?utm_source=feedburner&utm_medium=email&utm_campaign=Feed:+feedburner/xgpv+(HypeScience)

HYPESCIENCE