quinta-feira, 2 de setembro de 2010

Deus criou o Universo? Stephen Hawking diz que não



Cientista britânico vai lançar um novo livro, no qual altera a sua posição e exclui a possibilidade de Deus ser o criador do Universo.

Económico com Lusa

Da mesma forma que o darwinismo já tinha, no passado, rejeitado a necessidade de um criador no campo da biologia, também o conhecido astrofísico britânico Stephen Hawking argumenta agora - numa obra que será lançada na próxima semana - que as mais recentes teorias científicas rejeitam o papel de um criador do Universo.

Stephen Hawking afirma que o 'Big Bang' (a grande explosão que originou o mundo) terá sido uma consequência inevitável das leis da física, o que contradiz a teoria que o cientista tinha defendido no passado, no livro "Uma Breve História do Tempo", publicado em 1998 e rapidamente transformado num êxito de vendas.

Nessa obra, Hawking sugeria que não existia qualquer incompatibilidade entre a existência de um Deus criador e a compreensão científica do Universo, chegando mesmo a afirmar que se a comunidade científica chegasse a descobrir a teoria completa, tal "seria o triunfo definitivo da razão humana" já que, nesse altura, "seria possível conhecer a mente de Deus".

No novo livro, intitulado "O Grande Desígnio" e que estará à venda a partir de 9 de Setembro, precisamente uma semana antes da visita do papa Bento XVI à Grã-Bretanha, o astrofísico sustenta que a ciência moderna não deixa lugar à existência de um Deus criador do Universo.

O cientista diz que a prova que sustenta o seu argumento é o facto de ter sido observado, em 1992, um planeta que girava em torno de uma estrela distinta do Sol. Hawking alega que essa observação comprova a possibilidade de existirem outros planetas e universos o que significa, em seu entender, que se a intenção de Deus seria criar o Homem, estão os restantes universos seriam redundantes.

O conhecido biólogo ateu Richard Dawkins já felicitou Hawking pelas conclusões, sublinhando que esta opinião é partilhada por grande parte da comunidade científica.

Imagem: mdiversidades.blogspot.com