quinta-feira, 26 de julho de 2012

Por que demoraram tanto para inventar a roda?


As rodas são o arquétipo de um primitivo, o homem das cavernas em nível de tecnologia. Mas, na verdade, elas são tão engenhosas que demoraram até 3500 a.C. para alguém inventá-las.
Por essa época – a Idade do Bronze -, os seres humanos já estavam lançando ligas metálicas, construindo canais, veleiros e até mesmo projetavam complexos instrumentos musicais, como harpas. E nada de roda.
O difícil de se pensar sobre a roda não é a concepção de um cilindro de rolamento em sua borda. É descobrir como conectar uma plataforma estável e fixa com um cilindro.
“O golpe de mestre foi o conceito de rodas e eixos”, disse David Anthony, professor de antropologia da Hartwick College e autor de “O Cavalo, a Roda e a Linguagem” (Princeton, 2007). “Mas o fazer também era difícil”.
Para fazer um eixo fixo com rodas giratórias, explica Anthony, as extremidades do eixo tiveram de ser quase perfeitamente lisas e arredondadas, tal como os furos no centro das rodas, caso contrário, não haveria atrito suficiente para girar as rodas. Além disso, os eixos tiveram que se encaixar dentro de buracos das rodas, mas não muito confortavelmente – eles tiveram que ficar livres para girar.
O sucesso de toda a estrutura era extremamente sensível ao tamanho do eixo. Um eixo estreito iria reduzir a quantidade de atrito, e também seria muito fraco para suportar uma carga. Enquanto isso, um eixo mais espesso iria aumentar a quantidade de atrito. “Eles resolveram este problema tornando os primeiros vagões bastante estreitos, para que eles pudessem ter eixos curtos”, diz Anthony.
A sensibilidade do sistema de roda-eixo para todos estes fatores significava que a roda não poderia ter sido desenvolvida em fases. Foi uma estrutura de tudo-ou-nada.
Quem inventou isso deve ter tido acesso a grandes lajes de madeira com a espessura de troncos de árvores, a fim de esculpir grandes rodas. Eles também precisavam de ferramentas de metal bem equipadas para esculpir furos e eixos. E eles devem ter tido a necessidade de transportar cargas pesadas sobre a terra. Segundo Anthony, “foi a carpintaria que, provavelmente, atrasou a invenção até 3500 a.C. ou algo assim, porque só depois de cerca de 4000 a.C. que formões e goivas de cobre fundido tornaram-se comuns no Oriente Médio”.
A invenção da roda foi tão desafiadora que provavelmente aconteceu apenas uma vez, em um só lugar. No entanto, a partir desse lugar, parece ter se espalhado tão rapidamente por toda a Eurásia e Oriente Médio que os peritos não conseguem dizer com certeza onde ela se originou.
As primeiras imagens de carrinhos com rodas foram escavadas na Polônia e em outros lugares da Eurásia, e esta região está ultrapassando a Mesopotâmia (atual Iraque) como local de nascimento mais provável da roda. De acordo com Asko Parpola, um indologista da Universidade de Helsinki na Finlândia, há razões linguísticas para acreditar que a roda se originou com o povo Tripolye da Ucrânia moderna. Ou seja, as palavras associadas com as rodas e os vagões derivam da linguagem dessa cultura.
Miniaturas de carroças com rodas são comumente encontradas nas estepes da Eurásia. “É impressionante que tantos modelos foram feitos na cultura Tripolye. Tais modelos são geralmente pensados para serem brinquedos para crianças, mas parece mais provável para mim que eram contrapartes em miniatura das coisas reais”, disse Parpola. “O primado dos modelos em miniatura é sugerido pelo fato de que as imagens de rodas estão associadas aos animais, mesmo provenientes de culturas indígenas nativas da América Central, onde as rodas reais nunca foram feitas”. [LiveScience]