segunda-feira, 13 de fevereiro de 2012

As 5 teorias mais engraçadas da física


O vencedor do Nobel, Ernest Rutherford, afirmou que “toda ciência é física ou coleção de figurinhas”. (Ironicamente, ele ganhou o prêmio em química, e não física). Os físicos talvez não sejam os caras mais modestos do mundo, mas se tem uma coisa em que eles se destacam é no campo dos nomes para teorias. Aqui estão alguns dos melhores – e seus significados. E se você souber de mais alguma, compartilhe!
1 – AMADURECIMENTO DE OSTWALD
Imagine uma superfície com condensação, como uma garrafa d’água. No começo, o fenômeno se resume a gotas. Mas se você esquecer a garrafa por um tempo, sem tocá-la, vai notar que aquelas pequenas formas vão ficando maiores. Isso é o fenômeno do Amadurecimento de Ostwald.
A premissa básica é que as gotas maiores são “energeticamente mais favorecidas” do que as menores. Isso porque as partículas na superfície são menos estáveis do que as no meio, e as gotas menores têm maior proporção de moléculas na superfície do que as menores. Para ficarem mais estáveis, as menores acabam se juntando, tornando-se maiores. Então, se observar bem, você consegue ver as pequenas virando grandes.
Mesmo que você nunca tenha observado o fenômeno por tempo suficiente, já o deve ter presenciado no sorvete esquecido no congelador. Aqueles cristais duros, que eram pequenos e eventualmente ficaram grandes, são o exemplo desse fenômeno.
2 – ESTRADA DE VÓRTICES VON KARMAN
No campo da mecânica dos fluidos, os físicos analisam o andamento e as formas dos líquidos pelo espaço. Uma das mais fantásticas formas já observadas é o conjunto de redemoinhos que objetos como barcos deixam para trás, no mar. Conforme o barco se move, ele divide a água em dois. E quando ela se reúne novamente, cria um padrão de vórtices conhecido como Estrada de Vórtices Von Karman.
O fenômeno é importante em várias questões. Prédios altos, chaminés e periscópios de submarinos, por exemplo, têm que lidar com o fenômeno. Conforme essa força chega, as estruturas vibram fortemente.
E não são apenas objetos grandes que tem de lidar com isso. O bater de asas dos insetos também cria pequenos redemoinhos no ar. Mas ao invés de sofrer as consequências, os pequenos animais viram suas asas um pouco antes da subida, acompanhado o movimento do ar.
3 – ANTI-TELEFONE TAQUIÔNICO
Quer mandar mensagens para o passado? Sem problemas, apenas pegue seu anti-telefone taquiônico. A ideia de falar com o passado – usando a física, pelo menos – começou em 1907, quando Albert Einstein pensou na ideia de enviar sinais mais rápidos do que a luz.
Mas ele não deu esse estranho nome para a teoria; foi Gregory Benford quem cunhou o termo, em 1970.
Exemplificando: suponha que Alice e Roberto façam o seguinte acordo: ela vai enviá-lo uma mensagem às três da tarde se, e apenas se, ela não receber uma dele a 1h. Ao receber a mensagem de Alice às duas horas, Roberto imediatamente manda uma mensagem ao passado, para chegar a uma. Mas a segunda troca de falas só vai ocorrer se a primeira não acontecer.
Essa ideia exige algo chamado de “partículas taquiônicas” – que não existem nem em teoria, quem dirá no mundo real.
4 – O TEOREMA DA BOLA PELUDA
Você já tentou pentear um coco? Qualquer físico diria para você não fazer isso.
Se você tem uma bola com pelos do mesmo tamanho, é impossível que eles fiquem bem colocados na superfície do objeto. Pense em uma cabeça. Se você tenta pentear tudo bonitinho vai acabar com uma parte “lambida” e outra com uma marca, onde você começou a puxar os cabelos.
Isso tem implicações em várias coisas, dos ciclones à computação gráfica. Engenheiros de nanotecnologia usaram esse teorema para criar pequenas bolas com pelos dourados que conseguem grudar umas nas outras. E porque o vento não deixa de ser um monte de cabelos voando pelo planeta, sempre vai existir um local onde ele não sopra – o começo do penteado.
5 – O TEOREMA ENORME
Esse se refere a um teorema que é, literalmente, enorme. Conhecido como o grupo dos simples finitos, o teorema enorme exigiu mais de 100 matemáticos, centenas de publicações e 15 mil páginas para ser comprovado, tornando-o a maior prova matemática de todos os tempos.
O que esses especialistas estudaram é que todo grupo de números simples finitos pertence a uma dessas quatro categorias: cíclica, alternada, grupo simples do tipo mentira, ou esporádica.
A pesquisa desse teorema começou em 1832, e não foi completada até 2004. Há, provavelmente, poucos matemáticos no mundo que o compreendem por completo. E para falar a verdade, nem os especialistas sabem direito o que estão ganhando com essa conclusão. Mas para um recorde mundial, até que estão indo bem. [LifeLittleMysteries]
http://hypescience.com/as-5-teorias-mais-engracadas-da-fisica/
Hypescience