segunda-feira, 30 de setembro de 2013

Floresta de mil anos é descoberta após derretimento de geleira



Uma antiga floresta, que estava escondida sob uma geleira no Alasca (EUA), descongelou e está agora exposta ao mundo pela primeira vez em mais de mil anos.
Troncos de árvores têm surgido debaixo da Geleira Mendenhall durante mais de 50 anos. Ela está localizada no sul do estado do Alasca, e possui 95,3 quilômetros quadrados de área – praticamente um quarto do tamanho da cidade de Curitiba. Na realidade, trata-se de um rio de gelo que flui na direção de um lago, perto da capital Juneau.
No entanto, apenas ano passado os pesquisadores da Universidade do Sudeste do Alasca, em Juneau, notaram que um número consideravelmente maior de árvores estava aparecendo. De acordo com o jornal local “Juneau Empire”, que publicou uma matéria sobre o assunto na metade deste mês, grande parte da vegetação foi encontrada em sua posição vertical original e algumas árvores ainda apresentavam suas raízes e até um pouco de sua casca.
“Há um monte de árvores lá, e o fato de muitas delas estarem em pé é interessante para nós porque, desta forma, podemos observar a parte mais externa das árvores e ter uma estimativa de quantos anos elas tinham quando morreram”, conta Cathy Connor, professor de geologia da Universidade do Sudoeste do Alasca, que está envolvido na pesquisa. “Normalmente, nós encontramos pedaços de madeira desordenados, por isso encontrar uma floresta praticamente intacta é muito legal”.
A equipe identificou as árvores como sendo de duas espécies diferentes: abeto e cicuta. “Utilizamos como base o tamanho do diâmetro dos troncos e o fato de que estes são os tipos de árvores que até hoje crescem na região”, conta Connor.
Uma camada de pedra provavelmente envolveu as árvores há mais de mil anos, momento em que a geleira começou a avançar. Os pesquisadores estimam a data baseando-se na idade das árvores recém-reveladas, por meio do método de radiocarbono.
Uma camada de rochas de cerca 1,20 a 1,5 metro de altura parece ter coberto completamente as árvores antes de a geleira finalmente avançar o suficiente para se fechar sobre elas, arrancando as copas, mas preservando os tocos em uma espécie de tumba de gelo.
A Geleira Taku, localizada ao sul da cidade de Juneau, está provocando este mesmo processo, uma vez que avança sobre uma floresta de choupos (também conhecidos como álamos), oferecendo aos pesquisadores a oportunidade de observar o processo em tempo real.
Ao contrário da Geleria Taku, que acumula sua neve em uma altitude elevada e, portanto, tem a tendência de continuar crescendo, a Geleira Mendenhal está situada em uma elevação mais baixa e tem recuado a uma taxa média de cerca de 52 metros por ano desde 2005. “A medição do verão deste ano [no hemisfério norte] ainda não foi feita, mas a equipe espera que o degelo tenha sido relativamente grande devido às temperaturas anormalmente quentes de 2013”, conta Connor.
A diminuição das geleiras preocupam muitos moradores, assustados com a ameaça de uma grande elevação do nível do mar, além da perda de fontes de água doce, essenciais para que os habitantes obtenham água potável. Anchorage, a cidade mais populosa do estado, depende inteiramente da retirada de água potável da Geleira Eklutna para servir sua população.
Ainda assim, o recuo glacial oferece uma interessante oportunidade para investigar os restos bem preservados de um mundo antigo. A equipe pretende retornar à Geleira Mendenhall para cavar através dos sedimentos em busca de folhas de pinheiros, além de outros tipos de vegetação. Os pesquisadores também planejam medir a taxa de crescimento das árvores para determinar quantos anos elas tinham quando morreram.
Os pesquisadores ainda não publicaram os resultados do estudo, mas planejam fazê-lo assim que reunirem mais dados. [Live Science]
http://hypescience.com/